sexta-feira, 15 de abril de 2011

Chuva tardia!


Abro a Biblia pela manhã. Escolho, por ser o livro da semana em nossa igreja, o de Zacarias e caio neste verso da Nova Versão Internacional:
“Peça ao Senhor chuva de primavera, pois é o Senhor quem faz o trovão, quem envia a chuva aos homens e lhes dá as plantas do campo”. (Zacarias 10.1)
Chuva de primavera. Não entendi.
Abro em outra versão:
“Pedi ao Senhor chuva no tempo da chuva serôdia”, etc.
Piorou. Vou ao dicionário. Seródia é chuva fora do tempo.
Recorro a outra tradução, feita por hebraístas judeus: “Peça ao Senhor chuva no tempo da chuva tardia”.
Ficou claro: pedir chuva de primavera é pedir algo extraordinário porque na Palestina antiga não chovia na primavera. Rogar por chuva no tempo da chuva serôdia era esperar chuva quando a sua estação já passara.
Fiquei pensando nas minhas orações. Tantas são preces por coisas possíveis, como chuvas no tempo da chuva. Talvez, mesmo que eu não ore, elas virão. Poucas são preces por coisas impossíveis, realizáveis apenas pelo Deus que faz o trovão. Não dependem de mim.
Então, preciso pedir por mim mesmo. “Senhor: ajuda-me a te ver como o Deus que pode mais do que posso imaginar”. “Senhor: ajuda-me a confiar em Ti como aquele em que posso realmente confiar”.
Então, posso orar segundo o ensino de Zacarias: “Senhor: o que te estou pedindo é chuva na primavera, mas eu sei que o Senhor é quem faz o relâmpago fender o céu”.


Israel Belo de Azevedo
(www.prazerdapalavra.com.br)

Um comentário:

Ruth B.A. Netto disse...

Estávamos aqui em Brasília no limite do clima severo, cercados pelo fogo, fumaça e poeira. Quando menos esperávamos, antes do previsto, o Senhor enviou suas chuvas sobre a cidade castigada pela sequidão! Assim, também em nossas vidas, quando já nos encontramos no limite do sofrimento e da escassez, o Senhor vem, e derrama sobre nossas vidas a Sua chuva de graça e provisão! Essa chuva de Deus traz alívio, paz e prazer! O que era seco e morto, frutifica e floresce!