sexta-feira, 13 de novembro de 2015

A missão de Lucy





Hoje pela manhã fui visitado por fortes dores estomacais (ou intestinais, não sei ao certo), que me desmotivaram das atividades mais produtivas, por isso, acomodei-me e encontrei um filme já visto várias vezes, mas que sempre me ensina algo proveitoso. Não foi diferente desta vez, mui especialmente num momento que falou muito sobre minha função e meu momento atual no ministério.

O filme é "As Crônicas de Nárnia: Príncipe Cáspian", baseados nos escritos magníficos de C.S.Lewis. Fui instigado por um momento em especial da trama. Os quatro irmãos estão caminhando pela floresta, acompanhados pelo anão Trumpkin que salvaram, procurando o Grande Rio, para chegarem ao Monte de Aslam. Pedro, o irmão mais velho tem certeza que sabe o caminho, mas depois de muito andarem e já exautos se dão conta que realmente estão perdidos e não sabem qual direção tomar. Nesse instante Lucy solta um grito e diz estar vendo o Leão Aslam, mas volta-se e não o vê mais. Questiona os irmãos e todos dizem não ter visto e a induzem a pensar que foram alucinações. Ela refuta, diz ter certeza, e ainda afirma que Ele deseja que caminhem em outra direção. O grupo faz uma votação e todos seguem na direção que já estavam antes, apesar do desapontamento de Lucy.

Descem o penhasco e são perseguidos pelos soldados inimigos, até que, sem nenhuma alternativa, precisam voltar novamente e seguir a direção que Lucy tinha apontado. Muito cansados, param para comer e depois dormir um pouco. No meio da noite Lucy é despertada por uma voz que lhe chama. Ela tenta dormir novamente mas o chamado se repete, e a voz é a mais querida aos seus ouvidos, por isso ela se levanta e entra pela floresta seguindo a voz, e depois dos arbustos vivos e dançantes, encontra-se com Ele, Aslam.

Depois de abraços e deleites Aslam diz que eles já perderam muito tempo na direção errada, e o diálogo que segue é esclarecedor. Ela culpa os irmãos de não terem ido na direção certa quando ela os chamou, mas diante do olhar sério de Aslam ela confessa que deveria ter ido mesmo diante da incredulidade deles. Pergunta se mudaria alguma coisa se tivesse ido. Aslam responde que não pode dizer se algo seria diferente, mas que agora sim ela pode fazer diferença, e lhe desafia: vá acordar os outros, conte-lhes tudo que viu e façam com que me sigam. Ela sabe que a tarefa é difícil demais e questiona se os outros conseguirão vê-lo como ela. Aslam diz que de início não, mas ela deve chama-los e depois vir até ele, mesmo que os outros não venham.

Transcrevo as linhas do próprio Lewis: É desagradável ter de acordar quatro pessoas mais velhas, ainda por cima cansadas, para dizer-lhes uma coisa em que provavelmente não irão acreditar, e para convencê-las a fazer aquilo que não querem. Lúcia disse para si mesma: “É melhor nem pensar! Tenho é de ir em frente e aceitar o desafio!”

Ela conseguiu, mas não sem ter muita resistência e ser ofendida.

Assim que Lewis retrata a difícil missão que temos de liderar um povo a andar por fé. Torna-se terrível quando nem mesmo você sabe ao certo se está vendo ou não a direção certa, se está ouvindo ou não a voz de Deus, se está sendo ou não obediente. Mas depois de um encontro pessoal, uma palavra inconfundível e a direção certa apontada, não importa mais ser ouvido ou não, mas obediente.

Despertar os que estão tranquilamente dormentes diante da urgência de marchar, conseguir transmitir aquilo que vemos e ouvimos diretamente do Senhor, e ainda fazer com que nos sigam, porque seguimos a Jesus, não é algo fácil e nem mesmo tranquilo de se realizar, mas é nossa missão. Só quando nos levantamos com disposição, motivados pela obediência ao Senhor de nossas vidas e pelo amor daqueles que estão perdidos e sem rumo do nosso lado, nossos irmãos de jornada, podemos então ter a alegria de estar no caminho certo, perto do nosso Salvador e acompanhados por aqueles de quem não desistimos. Isso sim é satisfação, missão cumprida e vale toda a celebração.


2 comentários:

Edmar Miguel disse...

Linda mensagem Pr. Eliezer. Me inspirou bastante neta manhã. Sou apaixonado pelos contos de C.S. Lewis, estes filmes então, não perdi um.

Faço minha as suas palavras.
O ministério é um desafio, continuar marchando, indo em frente, e tentar acordar os que estão dormindo, resistentes em ir na direção da visão que nós dissemos que tivemos. A visão é nossa, o difícil é convencê-los de que este é o caminho que o Senhor nos mostrou.

Obrigado, Deus te abençoe.

Pr. Edmar

Edmar Miguel disse...

Amém