domingo, 28 de novembro de 2010

Carta do Pr. Claudinei pelos 20 anos de ministério do Pr. Eliezer em SFS

Jacupiranga, Novembro de 2010

Graça e Paz!

"Lembrem-se dos seus líderes, que lhes falaram a palavra de Deus. Observem bem o resultado da vida que tiveram e imitem sua fé." (Heb 13: 7)

Amado pr. Eliezer e igreja.

Imagino que esse momento esteja sendo muito especial. Afinal, não é sempre que compartilhamos tempos como esse! Infelizmente não posso estar presente pessoalmente, mas espero que as simples palavras expressas neste pequeno texto, transmitam um pouco do meu coração.

Vinte anos de ministério, melhor ainda, vinte anos de ministério na mesma igreja. Muitas alegrias, muitas lágrimas, muitas dúvidas, mas sempre cercado da graça e misericórdia do Senhor. Hoje eu entendo algumas coisas que antes talvez não entendesse. Entendo porque partilho da mesma alegria de ser pastor. Ter que olhar sempre a frente e ao mesmo tempo deparar - se com a própria fragilidade. Mas tudo isso se acalma diante da poderosa graça de Jesus.

Lembro-me do ano de 1993, eu estava chegando a Santa Fé do Sul. Não imaginava como minha vida iria mudar. Converti-me a Cristo, conheci essa igreja maravilhosa. Nunca havia conhecido um pastor antes. A ideia que tinha sobre um pastor era a de um sujeito sisudo, idoso, careca e barrigudo (risos). Um dia, passamos na casa pastoral para pegar alguns colchões para um retiro de carnaval. Lá estava o pastor Eliezer, não era idoso, nem barrigudo, nem careca, nem sisudo; pelo contrário, era muito alegre, jovem e solteiro. Eu confesso que fiquei impressionado com aquilo, pois como podia ser pastor ainda tão jovem?!

Aos poucos fui sendo influenciado por ele, pelas pregações, pela sua inteligência, pela amizade, pela sua forma jovial de ver a vida. Me identificava com isso. Apesar de não saber discernir ainda, fui sentindo aos poucos o chamado de Deus em minha vida, para o ministério pastoral. Compartilhei com o pr. Eliezer e ele me incentivou muito, aliás, acho que ele acreditou mais em mim do que eu mesmo!! Além de incentivar, investiu em minha vida e levou a igreja a investir também. Fui enviado ao Seminário, me casei durante o curso e o pr. Eliezer fez o casamento. Fui consagrado ao ministério pastoral e tive o privilégio de ser orientado por ele durante mais sete anos, junto com os irmãos. Ele acompanhou também o nascimento de meus filhos, além de apresentá-los ao Senhor.

Talvez alguns estejam se perguntando: “Porque está falando tanto de você e não do homenageado?” A resposta é simples. Porque não há como falar de uma parte tão importante de minha vida sem falar do pr. Eliezer. Se hoje sou pastor, devo muito a ele e, é claro à essa querida igreja. Desses vinte anos de seu ministério, acompanhei boa parte. O pr. Eliezer não influenciou só mim, mas outras pessoas também, que estão servindo ao Senhor e que foram fruto de seu ministério. Agradeço a Deus por essa vida tão preciosa.

Acho que jamais conseguirei retribuir o que o pastor Eliezer fez por mim. Eu era apenas um jovem, sem muita perspectiva, mas sua vida e seu ministério puderam me fazer enxergar a graça bendita de Jesus, me ensinar e orientar a ouvir o chamado de Deus.

Muito obrigado Pr. Eliezer, que Deus o cubra de graça, misericórdia e paz. Que a alegria do Senhor seja sempre multiplicada sobre sua vida, família e ministério. Um grande e forte abraço, deste seu amigo, ovelha, colega e irmão em Cristo.

Pr. Claudinei.
Parabéns

sábado, 20 de novembro de 2010

Graça ou condenações?




Sempre penso uma história contada por Philip Yancey.
Um cristão se tornou viciado (no caso, em pornografia, mas poderia ser em outra dependência). Sua esposa percebeu o problema. Em lugar de apenas repreender o marido, assentou-se numa noite ao seu lado na sala e o abraçou, entre lágrimas. O homem foi curado naquele momento.
Contudo, teve recaídas. Ao final, no entanto, ficou livre para sempre.
Lembrei da história ao reler "Os fortes e os fracos", de Paul Tournier, que escreve: "A fé nascida por ocasião de uma experiência concreta sobreviverá ainda que haja recaída. O que terá mudado definitivamente é o clima da vida. Ainda que nossas tendências inatas persistam, afrouxarão os círculos viciosos".
Mais do que qualquer pessoa, quem recai precisa desesperadamente da graça.
Estamos dispostos em ministrá-la ou nos especializamos em condenar?

Paz e
Graça.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ministério Pastoral...



Na próxima semana terei o privilégio de estar completando 20 anos de ministério pastoral, todos eles vividos e desenvolvidos na Primeira Igreja Batista em Santa Fé do Sul.
Muitas vezes me pergunto como cheguei até aqui, mas não sei ao certo nem mesmo como Deus teve a ousadia e coragem de me chamar para essa tarefa tão nobre. Tenho como a maior riqueza de minha vida, depois de aceitar a Cristo como meu Salvador pessoal, o chamado para o ministério. Mas não sem sentir o peso e responsabilidade que acompanha essa tão nobre convocação, mesmo que muitos menosprezem e envergonhem o ministério... nele me alegro.
Sou grato a Deus, a minha amada igreja e minha familia maravilhosa.

Segue um texto de Agostinho sobre o ministério:

“Antes de mais nada, peço que vossa santa sabedoria considere que, não há nada nesta vida, e em especialmente em nossos dias, mais fácil, agradável e aceitável aos homens, que o ofício de bispo, sacerdote ou diácono, caso suas tarefas sejam desempenhadas de uma forma mecânica ou aduladora. Mas nada é mais inútil, deplorável e digno de punição aos olhos de Deus.
Por outro lado, nada nesta vida e, especialmente em nossos próprios dias, é mais difícil, pesado e arriscado que esses ofícios. Porém nada é mais abençoado aos olhos de Deus, se nosso serviço estiver de acordo com as ordens do Capitão”.
Agostinho de Hipona (354-430d.C.)
Escrevendo ao seu superior Valério.
(Redescobrindo o Ministério Pastoral,
MacArthur Jr., John F. – p.63)