sábado, 25 de setembro de 2010

O que me faz subir?



Era uma vez um velho homem que vendia balões numa quermesse.
Evidentemente, o homem era um bom vendedor, pois deixou um balão vermelho soltar-se e elevar-se nos ares, atraindo, desse modo, uma multidão de jovens compradores de balões.
Havia ali perto um menino negro.
Estava observando o vendedor e, é claro apreciando os balões.
Depois de ter soltado o balão vermelho, o homem soltou um azul, depois um amarelo e finalmente um branco.
Todos foram subindo até sumirem de vista.
O menino, de olhar atento, seguia a cada um.Ficava imaginando mil coisas...
Uma coisa o aborrecia, o homem não soltava o balão preto.
Então aproximou-se do vendedor e lhe perguntou:
- Moço, se o senhor soltasse o balão preto, ele subiria tanto quanto os outros?
O vendedor de balões sorriu compreensivamente para o menino, arrebentou a linha que prendia o balão preto e enquanto ele se elevava nos ares disse:
- Não é a cor, filho, é o que está dentro dele que o faz subir!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Ninguém é só!!!



Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo;
cada homem é parte do continente, parte do todo;
se um seixo for levado pelo mar, a Europa fica menor,
como se fosse um promontório,
assim como se fosse uma parte de seus amigos ou mesmo sua;
a morte de qualquer homem me diminui,
porque eu sou parte da humanidade;
e por isso, nunca procure saber por quem os sinos dobram,
eles dobram por ti”.

“ Nenhum homem é uma ilha”
( Johnn Donne, poeta inglês do século XVI,
em um belo verso de suas Meditações XVII ).

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Dependentes de Oração!



“Quando dependemos das organizações,
obtemos o que elas podem oferecer;
quando dependemos da educação,
alcançamos o que ela pode oferecer;
quando dependemos dos homens,
obtemos o que eles podem fazer;
Mas quando dependemos da oração,
alcançamos o que Deus pode fazer.”


John Piper
(Livro - Irmãos, nós não somos profissionais )

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Pequenos Gestos. Grandes Pessoas.




Em pé, levantei a mão para um táxi. Não parou.
Em seguida, parou outro carro.
-- Entra aí.
Era um amigo, que alterou seu itinerário para me levar onde eu precisava. Como eu estava atrasado e o trânsito estava lento, ele buscou uma rota alternativa. Deixou-me à porta do meu compromisso.
O generoso gesto me lembro outro amigo, distante no espaço e no tempo. Ele me dava carona freqüentemente e se dispunha a me levar em casa. Quando eu insistia em me contentar com a metade do trajeto, onde ficava a sua casa, ele desouvia e se justificava.
-- Não sou quem levo você às costas. É o carro.
E tocava o veículo até minha esquina.
Num mundo em que todo mundo tem pressa, gastar tempo com os amigos é para as pessoas grandes, que se revelam nos pequenos gestos.

Desejo-lhe um
BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

A boca fala, o corpo sara.



"Quando a boca cala, o corpo fala. Quando a boca fala, o corpo sara."

É interessante este alerta colocado na porta de um espaço terapêutico.

Muitas vezes... O resfriado escorre quando o corpo não chora.

A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.

O estômago arde quando a raiva não consegue sair.

O diabetes invade quando a solidão dói.

O corpo engorda quando a insatisfação aperta.

A dor de cabeça deprime quando as dúvidas aumentam.

A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.

A dor no ombro sinaliza o excesso de fardos e de obrigações.

As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.

O peito aperta quando o orgulho escraviza.

A pressão sobe quando o medo aprisiona.

As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.

A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.

O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.

E as tuas dores caladas? como elas falam no teu corpo?

Mas, cuidado... Escolha o que falar, com quem falar, onde, quando e como! Crianças é que contam tudo para todos, a qualquer hora, de qualquer forma. Passar relatório é ingenuidade.

Escolha alguém que possa lhe ajudar a organizar as ideias, harmonizar as sensações e recuperar a alegria.

Todos precisam saudavelmente de um ouvinte interessado.

Mas tudo depende, principalmente, do nosso esforço pessoal para fazer acontecer as mudanças na nossa vida!!!

"A amizade é a mais pura forma do amor de Deus, porque nasce do livre arbítrio do coração."

Quando a boca cala, o corpo fala. Quando a boca fala, o corpo sara.

Eis um ditado que mostra, de forma simples, a importância de verbalizar o que sentimos e pensamos, pois o que não é expresso tende, mais cedo ou mais tarde, a afetar nosso bem-estar e até nosso estado de alma.

Segundo o psicólogo Waldemar Magaldi Filho, professor da Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo, ao entrar em contato com seu colorido interior, dispondo-se a abrir e a contar suas experiências, sejam elas boas ou ruins, muito do que foi vivenciado pela pessoa se ilumina.

“Narrando os fatos, percebemos que eles talvez não sejam tão negativos quanto pensávamos, que a raiva que alguém despertou em nós diminuiu, que o trauma que sofremos já não assusta tanto, que nossas vitórias foram mais importantes do que pareciam”, explica o especialista. Da mesma maneira, o que a princípio foi visto como algo trágico pode, com o passar do tempo, se revelar uma grande oportunidade de crescimento. “Isso é o que chamamos de re-significar, ou seja, atribuir um novo sentido às coisas”, completa.


O ato de falar sobre si mesmo é a base da psicoterapia, mas não é só no consultório que isso traz benefícios. Aliás, o simples fato de compartilhar as próprias idéias com alguém faz um bem danado. “E, se você não tem para quem falar, escreva”, recomenda Waldemar.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

A vida precisa do vazio...




A lagarta dorme num vazio chamado casulo até se transformar em borboleta.
A música precisa de um vazio chamado silêncio para ser ouvida.
Um poema precisa do vazio da folha de papel em branco para ser escrito.
E as pessoas, para serem belas e amadas, precisam ter um vazio dentro delas.
A maioria acha o contrário; pensa que o bom é ser cheio.
São inseguras quando não são medrosas.
Bonitas são as pessoas que falam pouco e sabem escutar.
A essas pessoas é fácil amar. Elas estão cheias de vazio.
E é no vazio da distância que vive a saudade...

Ruben Alves

Blog - Pastor Eliezer: Feliz...

Blog - Pastor Eliezer: Feliz...